terça-feira, 29 de outubro de 2013

Calor e Frio

Eu aqui, no calor dessa sala sem ar condicionado, pensando em detalhes, querendo detalhes.
da curva da tua orelha
do ângulo reto do teu nariz
do mapa que as tuas veias desenham em tuas mãos

Imaginando as cicatrizes de teu tempo de menino, onde elas se escondem debaixo de tuas roupas.
sinais que o sol colocou no teu rosto
a partir de onde nascem teus pelos..

Eu aqui, no calor, querendo os detalhes que podem me fazer te reconhecer aos pedaços.
o cheiro da dobra dos teus joelhos
o gosto do teu quadril
o calor do teu peito
as gotas de suor na tua testa quando adormeces

Eu aqui, no calor
ao te imaginar os detalhes de teus pedaços
sinto frio.

Isso

Isso que não tem tamanho nem forma
Que mora no espaço virtual do meu peito
Isso que é feito de imensidão e brisa
Que de tão frágil e afiado me arranca a pele
Isso que veio das terras do intangível
Que temo que se perca nos caminhos do impossível
Isso que me tira o sono
Que me coloca febre, e nos olhos, amplidão
Isso que ainda não tem nome
Que me leva ao teu encontro
Disso tenho sido feita.
Nisso quero repousar.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

sexta-feira, 18 de outubro de 2013



Hoje o coração despertou esmagado dentro do mundo do meu peito.
Prefiro não pesar os porquês.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Urbs

da minha fauna
da minha natureza
citadina
urbana
meigos são
pombos
ratos
baratas
pardais