segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

domingo, 14 de dezembro de 2008

28 em 2008








E há dois dias atrás foi o meu aniversário..
e foi mais um ano em que eu não soube lidar com ele...
Nunca soube ficar feliz em aniversário,
reza a lenda na família Sant'Ana que eu não achei graça alguma no meu 1º aniversário;
e olha que teve um bolo da emília e outro do papai noel,
teve prima vestida de emília, teve muito presente,
teve vestido novo, teve a primalhada toda reunida...
mas simplesmente não sorri pra nenhuma das fotos..
a única foto em que estou sorrindo ,
foi devidamente transformada num pôster que ficou na sala da casa de meus avós por anos e hoje acredito estar sob a guarda da minh mãe...














há dois dias atrás foram concretizados 28 anos de uma pessoa que não acha graça em aniversário..
mas que com o passar das horas começou a ficar feliz por estar rodeada do amor de alguns.
Obrigada, queridos!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Aquele que relaxa, tudo obtém.

O 8 de Paus emerge como arcano conselheiro para este momento de sua vida, Ellen, recomendando a você que simplesmente relaxe e tenha confiança, pois a tendência natural das coisas será fluir naturalmente, sobretudo se ao invés de forçar a barra você exercitar a inteligência e procurar fazer valer os seus bons relacionamentos. O maior de todos os poderes está na arte de se relacionar bem com as pessoas. Cultive isso e você verá que nada lhe faltará. Há circunstâncias em que o esforço não apenas não é necessário, como também não é recomendado. É melhor usar o cérebro do que os punhos. A força criativa fluirá e você terá idéias brilhantes que permitirão que você conquiste aquilo que deseja. Tenha confiança!

...mas tá fácil...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

hj

E porque eu queria apenas
calar, não consigo.
e porque eu queria apenas
abraçar, brigo.
e porque hoje tá gelado
aqui dentro, sinto.
e só hoje quero
ser apenas olhos
tristes de amor.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

dia sem luz

dia nublado aqui..
em Paris previsão de neve..
eu continuo sem refresco..
affe

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

A PROMESSA FALHOU, O AMOR NÃO

Enquanto isso, aqui na Terra seres humanos bons se encontram em estado de confinamento, porque seus corações e mentes estão presos em miragens emocionais e sentimentais.
Este é o momento do reconhecimento desta prisão, porque simultaneamente se percebe a responsabilidade de se fazer alguma coisa eficiente para superar a ilusão. Desiludir-se é sofrido, mas é assim que a alma se liberta das névoas que a aprisionam. As promessas de amor sentimental que as antigas canções entoaram foram todas quebradas, o que provoca dor, mas de um tipo que liberta. Só a promessa impossível não foi cumprida, porque o amor surge, agora, com sua verdadeira força e intenção, a de colocar todos os seres humanos em contato cooperativo entre si.

daqui ó: http://saudeperfeitarfs.blogspot.com/

domingo, 7 de dezembro de 2008

você, menina.

... é difícil lutar contra a criação de expectativas,
ainda mais difícil é aceitar que todos, e qualquer um, podem ser pequenos, baixos, feios.
Ando na luta contra as expectativas, é mais fácil, muito fácil se deixar acreditar,
que essa ou aquela pessoa são ótimas, são grandes, despreendidas, elevadas...
Mas as suspeitas as vezes se confirmam e você enxerga aquele,
que você queria ter como melhor,
tão raquítico, tão sujo e pequeno,
que é impossível não haver frustração,
não amargar uma decepção.
Afinal de contas, é também muito difícil se livrar do vício
de querer se comparar, e até perder uns rounds, pra quem você acredita ser
melhor que você, é humano e quase natural a gente se minimizar frente ao outro... é fácil demais se diminuir pra quem foi criado em nossa época e sociedade...
Sinto mal essa coisa de, mesmo que por segundos, desacreditar nas pessoas,
me decepcionar com elas, descaradamente.
É isso...
Eu já sentia, que você era pequena demais, mas hoje você fez questão de me mostrar isso (e ao mundo), da forma mais idiota...
é isso... além de pequena e suja, começo a achar você burra, péssima atriz nesse teatrinho social no qual você foi moldada...
E sinto muito, muito mesmo ter acreditado que você fosse alguém
em quem eu pudesse creditar algum respeito.
O pior de tudo?
me sentir idiota por ter esperado o melhor de você.
Boa noite.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

versinho quase triste

Queria muito saber como faz pra tirar
daqui de dentro essa tristezinha
que teima, teima em não passar...

O Diabo


Assumindo o uso do poder e do magnetismo pessoal

Vivemos numa sociedade que nos leva a sentir culpa quando assumimos as rédeas do nosso destino, quando assumimos o uso do poder. Todavia, existem circunstâncias em que não podemos ser tão “bonzinhos” assim, em que precisamos – devemos! – assumir uma postura de maior competição e desejo pelo poder sobre as coisas do mundo. O arcano XV como conselho para este momento de sua vida, Ellen, chama a atenção para a importância do cultivo do magnetismo pessoal para conquistar coisas no mundo material. Não tenha pudores de fazer valer sua força de autoridade quando sentir que é devido. Cuidado, apenas, para não se deixar levar por emoções extremas demais.

Conselho: Não temer o uso do próprio poder!

sábado, 29 de novembro de 2008

;

nem sei nem sei nem
tantas coisas biliscam meus olhos e ouvidos
affe affe affe
tantastantas que sinto falta de ar
e não tem como não ser ridícula
e não tem como não fazer parte de novela mexicana
e não tem como não me desconhecer
e fica quase impossível de não transbordar.
sinto-me fracassando.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Mª das Graças

Maria das Graças que não era a Meneghel foi quem começou com a distribuição dos E's;
e aí vieram: Eva, Edva, Evani, Eltton, Ellen e alguns outros.

Acordava a gente com o barulho das panelas e um vozeirão cantante no meio da cozinha,
e nas horas de manha, um bordão: - Vamos embora pra escola! aprender a ler e tocar viola!

Nunca foi de muitos carinhos, não deixava comer coisas da rua, fazia experimentos naturebas e o melhor pão caseiro e galinha de forno do mundo...
depois perdeu a mão, era invencionice demais.
Osso de frango no feijão e por aí vai.

Maria das Graças, a Dona Gracinha que não era a Meneghel fazia muitas coisas;
criava, os filhos, os sobrinhos, os netos;
e tentava fazer com cada um desses acreditasse que ia pro céu quando Jesus voltasse...
até que eles tentaram durante um tempo.

Vovó Gracinha era realmente um graça, bateu muita cabeça na minha, mas me ensinou o que considero mais importante no dia a dia...
cantarolar dentro ou fora.
Sempre.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

pisar no chão

eu quero um quarto com porta
pro infinito do lado de fora
que é atapetado
de hera e grama
agora.

sábado, 15 de novembro de 2008

catártico silêncio

Existo num prazer quase mórbido de ficar só
inicialmente tento cercar a vida de coisas e pessoas,
como planejar um sabadão na laje, curtindo o tanque...
passam apenas algumas poucas horas e tudo se recompõe
já não me basta estar com mais alguém
desejo apenas manter-me tranqüila,
sem voz, sem desprendimento de energia
numa catarse ao contrário..
Só sinto falta dele,
e de ficar só com esse outro pedaço que guardei pra mim.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Esclarecimentos à Professora Luiza Lobo - A real produção das mulheres em blogs

Por Lucia Freitas, do blog http://ladybugbrazil.com

Textinho pau no cú retirado do Luluzinha

Professora Luiza Lobo,

Somos um grupo de mulheres blogueiras, que têm vários temas diariamente (ou quase) em nossos blogs. Ouvimos sua entrevista para a Rádio CBN no último dia 1º de novembro. A senhora falava sobre seu livro “Segredos Públicos: Os Blogs de Mulheres no Brasil”. Na ocasião, a senhora foi categórica em afirmar: a produção feminina em blogs tem a característica do diário, do texto confessional, da exposição pública de sua vida privada. Por outro lado, homens fazem blogs de notícias.

Ficamos realmente indignadas com a sua generalização. Uma de nossas companheiras, inclusive, escreveu para a senhora e recebeu uma resposta, digamos, arrogante (como não temos permissão para publicar, não o faremos). Sentimos falta, em sua entrevista, do que lemos diariamente em nossos leitores de feed.

Será que a senhora entende realmente o que é um blog? Das redes que podem - e devem - se formar em torno deles? Das conversas que proporcionam. Da linkania resultante? Das comunidades que se encontram felizes, como a nossa, ao vivo e compartilham seus conhecimentos, experiências?

Blog, professora, é uma ferramenta de publicação na web. Nada mais e nada menos que uma ferramenta. Como tal, não conhece preconceitos de gênero. Homens e mulheres podem, livremente e sem prejulgamentos, utilizá-los para expor suas idéias, quaisquer que sejam. Tentar reduzi-los a gênero - seja ele sexual ou literário - é só isso; reduzir porque não dá conta de entender a complexidade do novo, seu caráter rizomático e sua filosofia absolutamente livre.

Algumas pessoas optam em fazer blogs confessionais. Outras preferem trilhar o caminho da ficção. Há aquelas que fazem blogs noticiosos e há quem prefira escrever blogs opinativos. Alguns blogs são coleções de links, outros expõem trabalhos manuais, ou quadrinhos, ou poesia. Há blogs especializados em qualquer tema que a senhora imaginar. Há blogs de variedades. Há blogs que são uma extensão da profissão, como os produzidos por colunistas da imprensa. Outros são, em si mesmos, uma profissão. Alguns são escritos por uma única pessoa, outros por uma coletividadade.

Existem, ainda, blogs que passam por fases diferentes, temas diferentes, estilos diferentes. E há aqueles que levam hoje uma notícia ao leitor, amanhã conterão um relato pessoal e no dia seguinte apresentarão uma opinião sobre um filme.

Vê, professora, como não há somente blogs confessionais ou noticiosos? Percebe como essa distinção, frequentemente, não é absoluta, e certamente não é excludente?

Saiba, professora, que há mulheres fazendo todos esses tipos de blogs - e outros mais. Fizemos uma coleção de blogs para a senhora ler. É grande, verdade. Mas expressa o tamanho e o volume de nossa produção nesta maravilhosa rede chamada internet.

Felizmente, vivemos em um mundo diferente daquele em que a mulher tinha de esconder pensamentos, emoções e ambições num diário guardado a sete chaves. Felizmente, hoje elas podem se expor - e isso é um avanço.

Por outro lado, afirmar que homens não falam sobre sua intimidade em blogs é de uma generalização desarrazoada, não somente porque há vários blogs confessionais escritos por homens, mas também porque mesmo blogueiros não-confessionais dedicam, por vezes, um espaço em seus blogs para falarem de si mesmos.

Deduzir que a literatura feminina em blogs é confessional é negar às mulheres seu potencial criativo, sua habilidade para tecer ficção.

Dizer que blogs de viagens (ou travel blogs, como prefere) escritos por mulheres são interessantes porque relatam os problemas que elas têm de enfrentar sozinhas durante a viagem é assumir que esse enfrentamento não acontece no cotidiano, independentemente de gênero. Além disso, é ignorar a vastidão de temas abordados por blogs de viagens.

Concluir que textos femininos em blogs são necessariamente subjetivos é negar-lhes seu poder de observação sobre o mundo que as cerca. É excluir-lhes a capacidade de compor textos noticiosos ou científicos. É ignorar sua participação no mercado de trabalho e seus relatos sobre esse mesmo mercado.

Ficamos pensando: será que as pessoas que ouviram sua entrevista e não são blogueiras como nós acreditaram em suas palavras? Gostaríamos de pensar que não, mas sabemos que, sim, provavelmente acreditaram na professora doutora que publicou um livro sobre o tema.

Provavelmente, vão entender que blogs femininos realmente são pessoais e somente pessoais. Possivelmente, da próxima vez que se depararem com um blog escrito por mulher, vão lembrar-se da sua entrevista e prejulgar o texto. Certamente, ao encontrarem um blog masculino confessional lançarão sobre ele um olhar preconceituoso. Porque, professora, pessoas sem conhecimento direto sobre algum assunto tendem a acreditar em acadêmicos supostamente especialistas.

Lamentamos, sinceramente, o desserviço que a senhora prestou aos blogueiros e blogueiras, reduzindo tão drasticamente a diversidade de suas produções. Repudiamos a visão estereotipada e sexista da produção em blogs que sua entrevista transmitiu.

Acreditamos, no entanto, que não houve má intenção no seu discurso. Por isso, anexamos a esta carta uma relação de blogs femininos especializados nos mais variados assuntos: de futebol a tecnologia, de moda a automobilismo. Esperamos que tenha interesse em conhecê-los.

Finalmente, queremos frisar que admiramos profundamente as blogueiras que fazem textos confessionais belos e inspiradores. Valorizamos esta produção, consumimos e produzimos este mesmo tipo de material. No entanto, blogs confessionais são apenas uma parte do universo de blogs femininos. Não cometa o erro de tomar o todo pela parte.
Atenciosamente,

Mulheres Blogueiras da Lista de Discussão LuluzinhaCamp

A lista dos blogs que sugerimos está na página Blogs Femininos

Niomar Helena

Coisas da minha avó de novembros...

A ROSA
Era uma vez uma rosa ...
Que de tão meiga, formosa
De rósea ficou amarela
Desbotou
Definhou
Murchou
Feneceu
A rosa não é mais rosa
Virou flor campesina
Débil e franzina
Sem encanto, sem odor
Não é mais aquele primor
Não tem mais a realeza
Com que a Natureza
Lhe revestiu com amor
Era uma vez uma rosa ...
Tão linda, tão airosa
Que a tempestade acabou
Despetalou
Desnudou
Massacrou

Venceu
Era uma vez uma rosa ...
05.06.86
QUANDO. . .
. . . . . . . . . . .não se desesperem
Quando quiserem me encontrar
É só me procurar
Nas pétalas de uma rosa
Nunca, em nenhum espinho
No voar de um passarinho
No odor da bonina mimosa
Na brisa que suave sopra
No luar que se derrama
Na maciez de uma cama
Onde o carinho se redobra
Na beleza do Sol nascente
No brilho de um riacho
Na claridade de um facho
Na despedida do Poente
Numa estrela a piscar
No rio a correr veloz
Na ventania a rugir atroz
No mar a se quebrar
Eu aqui sempre estarei
Na beleza dos netos queridos
Na saudade dos anos vividos
Eu aqui sempre estarei
(Niomar Helena) 15.05.1986

12 anos

Novembro tem cheiro,
cheiro de viagem de férias
cheiro de 12 anos
cheiro da casa de Niomar
e de vida começando
não lembro do seu rosto ou da sua voz,
mas lembro-me do cheiro que vinha de seu quintal
o mesmo cheiro que me persegue o olfato
nas ruas de novembro.

LUTO?

...e eu queria muito entender porque as pessoas banalizam tanto as coisas,
o mundo, os sentimentos..
o que quer dizer luto num site de relacionamentos?
essa palavra estampada pra centenas/milhares de pessoas que você nem conhece,
que você nem tem intimidade, minimiza a dor?
ou o vício de sociabilização forçada é maior que isso?
affe, acho muito affe demais.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Exercitando a polidez













O 7 de Espadas emerge do Tarot como arcano de conselho para você neste momento, Ellen. A recomendação aqui é clara: você não poderá agir de maneira completamente espontânea, dizendo tudo o que lhe vem à veneta. Ainda que você saia com a sensação de estar se portando com falsidade, será preciso estratégia e diplomacia para lidar com algumas circunstâncias difíceis. Ande pelas beiradas e evite os confrontos diretos a qualquer custo. Vivemos em sociedade e muitas vezes as circunstâncias exigem “planejamento comportamental”, demandando que aprendamos a sorrir para pessoas que não apreciamos. Sua paciência será recompensada.


Minhanossasenhoradocabelobranco! mais paciência???
mais???
ainda mais???

sábado, 8 de novembro de 2008

respiro

Cansa,
fazer que não vejo,
fingir que não ligo.
Cansa,
rever a lista de prioridades,
não pensar no próprio umbigo.
Mesmo ouvindo que não é nada disso,
mesmo insistindo que é besteira.
Cansa,
esbarrar a todo instante,
sorrir amareladamente,
manter a serenidade
e a vida continuar.
Cansa,
ouvir as palavras
retificadas nos seus gestos.
Preciso tomar ar.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

agora

Vamos embora desse mundo meu amor
vamos, mais pra lá ou mais pra cá
desde que saiamos do mesmo lugar
é a minha proposta.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Hoje

- Dona Ellen, a senhora precisa vir ao laboratório para novas amostras...
- O que aconteceu?
- Algumas amostras sofreram hemólise.
- ...
- ...


...Até meu sangue está se quebrando...

exames

Glicose = subindo
Hemoglobina = quase embaixo
eu = me basto

Seu Pensamento

na minha RM, Adrianando...

A uma hora dessas
por onde estará seu pensamento
Terá os pés na pedra
ou vento no cabelo?

A uma hora dessas
por onde andará seu pensamento
Dará voltas na Terra
ou no estacionamento?

Onde longe Londres Lisboa
ou na minha cama?

A uma hora dessas
por onde vagará seu pensamento
Terá os pés na areia
em pleno apartamento?

A uma hora dessas
por onde passará seu pensamento
Por dentro da minha saia
ou pelo firmamento?

Onde longe Leme Luanda
ou na minha cama?

Adriana Calcanhoto

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Valor-ação

Eu tento
não dar mais valor às pessoas do que o que elas já têm...
mas,
eu tendo.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Completinho

Não é porque eu sujei a roupa bem agora que eu já estava saindo
Nem mesmo por que eu peguei o maior trânsito e acabei perdendo o cinema
Não é por que não acho o papel onde anotei o telefone que estou precisando
Nem mesmo o dedo que eu cortei abrindo a lata e ainda continua sangrando
Não é por que fui mal na prova de geometria e periga d'eu repetir de ano
Nem mesmo o meu carro que parou de madrugada só por falta de gasolina
Não é por que tá muito frio, não é por que tá muito calor
O problema é que eu te amo
Não tenho dúvidas que com você daria certo
Juntos faríamos tantos planos
Com você o meu mundo ficaria completo
Eu vejo nossos filhos brincando
E depois cresceriam, e nos dariam os netos
A fome que devora alguns milhões de brasileiros
Perto disso já nem tem importância
A morte que nos toma a mãe insubstituível de repente
Dela eu já nem me lembro
A derrota de 50 e a campanha de 70 perdem totalmente o seu sentido,
As datas, fatos e aniversários passam
Sem deixar o menor vestígio
Injúrias e promessas e mentiras e ofensas caem fora
Pelo outro ouvido
Roubaram a carteira com meus documentos
Aborrecimentos que eu já nem ligo
Não é por que eu quis e eu não fiz
Não é por que não fui
E eu não vou
O problema é que eu te amo
Não tenho dúvidas que eu queria estar mais perto
Juntos viveríamos por mil anos
Por que o nosso mundo estaria completo
Eu vejo nossos filhos brincando
Com seus filhos que depois nos trariam bisnetos
Não é por que eu sei que ela não virá que eu não veja a porta já se abrindo
E que eu não queira tê-la, mesmo que não tenha a mínima lógica esse raciocínio
Não é que eu esteja procurando no infinito a sorte
Para andar comigo
Se a fé remove até montanhas, o desejo é o que torna o irreal possível
Não é por isso que eu não possa estar feliz, sorrindo e cantando
Não é por isso que ela não possa estar feliz, sorrindo e cantando
Não vou dizer que eu não ligo, eu digo o que eu sinto e o que eu sou
O problema é que eu te amo
Não tenha dúvidas, pois isso não é mais secreto
Juntos morreríamos, pois nos amamos
E de nós o mundo ficaria deserto
Eu vejo nossos filhos lembrando
Com os seus filhos que já teriam seus netos
Nando Reis

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Amor

leve
como leve pluma
muito leve pousa
muito leve
leve pousa.

João Ricardo - João Apolinário


domingo, 12 de outubro de 2008

cortinas

Queria que essa ventania levasse embora a ansiedade
e trouxesse a confiança que tive um dia.
Ainda não vejo o chão claramente.

vou, voo.

às vezes eu tento me superar,
ser melhor do que eu mesma sou capaz de ser,
abrir a guarda, deixar que as dores sejam curadas
com mercúrio-cromo e sorrisos.
às vezes eu tento me cicatrizar,
das feridas que em alguns momentos eu mesma faço,
e vou lá, e me abro, e permito;
nem sempre alivia,
nem sempre as coisas se desenvolvem de maneira a melhorar.
às vezes eu me causo mais dor e me recuso a tomar analgésicos,
me obrigo a ir cada vez mais fundo, procurando a farpa no dedo, incansavelmente.
continuo indo em frente, em frente, frente...
e me frustro quando não chego a lugar algum.
nem volto atrás, nem sei parar, nem tenho que me acompanhe.
Só, vou.

minúsculos assassinatos e alguns copos de leite

Ontem finalmente chegaram os livros novos.
Fiquei ansiosa pela hora de não-dormir pra poder começar a ler o livro da Fal;
embora avisada pelos inúmeros comentários espalhados pela bobesfera,
eu não imaginava.
Que a Alma era tão conhecida e tão doce,
que aquilo tudo enche demais a pessoa;
li quase o livro todo na mesma tacada, e não consegui mais dormir,
pensamentos, pesadelos...
Como alguém consegue dormir com a cama tão cheia de sentimentos?
Hoje: comemorar o dia das crianças com uma xícara enorme de café,
e um grande prato de cartola;
esperar pela hora de não-dormir pra continuar com tudo;
tentar não morrer antes dele chegar.

sábado, 11 de outubro de 2008

Árvores de Arruda

Eis que é chegada a primavera..
florescem cores
e também ervas daninhas..
chega a hora de se preparar para tudo o que é novo,
possível e impossível.
Reencontros são perenes nessa estação;
Amanhece a hora de resolver pendências e semear a terra que antes fora preparada para estas mudas de agora.
Época também de pequenos conflitos,
como fazer as unhas e quebrar um dente novo..
Se bem que...
antes mais um dente que a cara!
antes se jogar à vida que à imutabilidade.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Outono

Minha poesia é cega
meus lábios secos
meu peito raso
e o coração,
leve-me.

Lombalgia

E esse cansaço que hoje sinto
é por sentir demais tudo o que tenho
das saudades, dos desejos,
da sede e dos lampejos
nesses olhos
que estão longe
e que não posso enfrentar.

domingo, 5 de outubro de 2008

Ai meu Cid!

Morra Cid Moreira!!!
Morra!!!!
Pare de chorar todo domingo na mina tvlisão!!!

Affff

Domingo de eleição
tem Faustão e não tem novela
também pra quê?
se todo domingo já é ela!

sábado, 4 de outubro de 2008

Passa-tempo

tem dias que acordo assim,
meio perdida no tempo e dentro..
fico apenas vendo, ouvindo..
e tudo que está fora parece inatingível.
não é alheamento, vontade de compartilhar existe;
mas é que tem dias que sei lá porque, nascem meio tristes,
eu me sinto não cabendo nas roupas, músicas..
nem mesmo no pensamento
que me faz fica pequena
cada vez menor
a ponto de escorregar pelas frestas do piso.
e fico só olhando as coisas passarem
as pessoas passarem
as horas passarem
enquanto eu aqui,
sozinha e quase triste,
fico olhando o presente que chegou antes do que eu esperava
e que vai ficar sozinho comigo por alguns poucos e longos dias...
é dia que falta;
falta gente, falta beijo, falta vontade de ir à esquina
e mesmo vontade de ligar a tv.
é dia que sobra,
sobra dia enquanto espero que ele acabe.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Self Service em dia lindo.

Saí sozinha,
cheguei sozinha
fiquei.
Almocei sozinha,
voltei sozinha
fiquei.
E esse mundo lá fora?
apenas faz companhia ao sol.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

sábado, 27 de setembro de 2008

questões rápidas

# Qual o problema dessa bosta de blogger que me faz tentar postar 150 vezes a mesma merda?

# Será que conforto se confunde com tédio?

# Às vezes acho que o que eu acho disso tudo é perdição.

# Djavan continua muso, o repertório é que contrai. Vale a pena?

# Sensação de ... nem sei. E nem quero saber.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Musa




















" O amor nunca morre de morte natural. Ele morre porque nós não sabemos como renovar sua fonte. Morre de cegueira e dos erros e das traições. Morre de doença e das feridas; morre de exaustão, das devastações, da falta de brilho..."
Anaïs Nin

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Habitat

A casa era o lugar onde estava dentro,
vácuo perene que tranca a vida no umbigo.
Vivíamos sem saber onde terminavam as odes
e muito menos por onde se iniciavam os cortejos.
Cada um sabia apenas do quintal,
cheirando o barro molhado de chuva;
e quando as mangas abundavam,
tempestade nas telhas cruas.
A casa era o lugar onde estávamos todos,
presos apenas pelo sentir.


"Senhor, ajudai-nos a construir a nossa casa
com janelas de aurora e árvores no quintal.
Árvores que na primavera fiquem cobertas de flores
e ao crepúsculo fiquem cinzentas como a roupa dos pescadores."


Manoel de Barros.


terça-feira, 16 de setembro de 2008

solilóquios

# Criar expectativa é gerar uma frustração,
nada disso impede o sonho.

# Ruminar as frases é transformá-las em argumentos sanguíneos.

# Digerir o mundo é semear sons em terra de letras.

# Quem me dera passarinhar a primavera.

Só uso a palavra para compor meus silêncios.
Manoel de Barros

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Khalo e Rivera

Os anos de em que eu mais sofri de solidão e saudade, foram também os em que eu mais descobri quem sou e como é dolorido conhecer na prática os conceitos de lealdade e hombridade.

Foi quando eu também aprendi que um relacionamento pode acabar por simplesmente não ter mais pra onde ir e que isso não significa que ele deu errado.

Minhanossasenhora, ninguém pode imaginar o nó que isso dá na cabeça.

Fora desses anos de aprendizado, eu já tinha percebido que relacionamentos são contratos, uns silenciosos, outros não; mas são contratos. Onde cláusulas são regras do nosso cotidiano e que se quebradas trazem prejuízos para um ou para os dois lados.

Percebi também analisando meus relacionamentos anteriores que o que sempre me atraiu no outro era a intelectualidade, inteligência emocional, adaptabilidade às situações; afinal de contas alguma coisa haveria de ligar pessoas tão diferentes em estética, idade, finanças, credo, raça, etc;

Demorei muito pra encontrar outra pessoa que eu pudesse acreditar que estivesse disposta a compartilhar desses conceitos comigo, seja aprendendo ou já trazendo-os em sua bagagem.

Hoje acordo depois de dois anos e não sei quem está ao meu lado, você me prova que eu estava completamente errada.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Ciúme

CONTARDO CALLIGARIS
Ciúme

Pesquisa oferece duas sugestões para que uma relação não seja envenenada pelo ciúme


A CADA semana, ouço a queixa de alguém que encontra, no celular de seu parceiro ou parceira, a "prova" de uma traição: o ciúme vinga com a tecnologia, mas entendê-lo continua difícil.
Para os darwinistas, a evolução favoreceu os ciumentos: sobrevive a linhagem dos que evitam sustentar rebentos ilegítimos, poupando assim seus recursos. Problema: o argumento evolucionista vale só para o ciúme masculino (mesmo no pleistoceno, os homens que pulavam a cerca não voltavam grávidos para casa), e, restaria explicar, o ciúme feminino. Várias pesquisas mostram que todos, homens e mulheres, são mais sensíveis à infidelidade emocional (que não engravida ninguém) do que à infidelidade sexual.
Os cognitivistas, em geral, entendem o ciúme como uma reação contra algo que ameaça a relação e fere o amor-próprio do "traído". Faz sentido, mas o ciúme (sobretudo patológico) nem sempre é reativo: às vezes, o ciumento inventa situações para alimentar seu ciúme.
Os terapeutas psicodinâmicos notam que o ciumento é mais preocupado consigo e com seus rivais do que com o objeto de seu amor. Eles reconhecem, grosso modo, dois tipos de ciúme, que ambos seriam restos neuróticos da infância:
1) Há o ciúme possessivo de quem não deixa a primeira infância, continua querendo ser um único corpo, junto com a mãe, e só enxerga ameaças - no pai, nos irmãos etc. Nesse estilo, uma tia minha passou a vida recluída pelo marido: não saía de casa, nenhum médico podia examiná-la. Por essa razão, eu não a conheci, mas minha avó dizia que o homem era louco e que ela era louca também, por aceitar.
2) Há o ciúme inseguro de quem nunca se sente "tranqüilamente" amável e está sempre revivendo as emoções da pré-puberdade, quando descobrimos que a mãe tem interesses diferentes da gente (experiência dolorosa, mas também prazerosa, pois, traindo-nos, ela nos liberta para desejarmos outras coisas).
Então? Pois é, acabo de ler uma pesquisa, de Visser e McDonald, no "British Journal of Social Psychology" (vol. 46, nº 2, junho 2007): "Swings and Roundabouts: Management of Jealousy in Heterosexual Swinging Couples" (suingue e carrosséis: administração do ciúme em casais heterossexuais que praticam o suingue).
Questão dos pesquisadores: há casais que praticam regularmente o suingue, a troca sexual de parceiros; como eles administram o ciúme?
Resultado previsível: os casais que praticam suingue transformam seu ciúme em excitação sexual. Essa transformação é mais fácil para o homem; na mulher, a visão do parceiro nos braços de outra produz facilmente insegurança. Seja como for, a transformação do ciúme em excitação sexual é possível à condição que seja garantida a confiança absoluta de ambos na coesão do casal. Garantida como?
1) A primazia do envolvimento afetivo sobre o sexual é permitida pela sinceridade. O parceiro é sempre o primeiro a saber: essa prioridade garante a superioridade do laço afetivo do casal sobre o laço sexual com outros. De fato, na infidelidade, o que mais causa aflição é que, por exemplo, o amante sabe do marido, e o marido não sabe do amante (diga para um amante que sua performance é comentada na mesa do casal, e ele, provavelmente, sumirá para sempre).
2) O próprio suingue, como fantasia constantemente elaborada pelos dois, consolida o laço do casal, torna-o muito mais importante do que os parceiros ocasionais de cada um.
Será que, dessas constatações, há como deduzir uma receita contra o ciúme ordinário?
Parece que sim: à condição de não precisar repetir os restos da infância mencionados antes, deve ser possível construir uma relação em que o ciúme seja tolerável. Para isso, segundo a pesquisa, é bom: 1) que as "infidelidades" (todas, não só as sexuais) sejam prenunciadas, ou seja, que elas existam primeiro na conversa do casal; 2) que os membros do casal compartilhem uma aventura, um sonho (voar de asa delta, aprender sânscrito ou praticar suingue, tanto faz).
Mais duas observações. A maior traição é a traição do próprio desejo da gente; portanto, pedir ao outro para não nos trair é menos importante do que lhe pedir para não trair a si mesmo. Até porque um parceiro ou uma parceira que traísse seu próprio desejo para ficar com a gente acabaria, a médio prazo, odiando-nos por ter-se traído.
Enfim, uma infidelidade não é razão para acabar com uma relação. No máximo, é razão para perguntar-se se a relação vale a pena.
ccalligari@uol.com.br

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

A importância de deixar ir


Cultivar o desapego é um dos conselhos fundamentais dado pelo arcano chamado “O Ceifador”, Ellen. Existem momentos da vida em que somos desafiados a perder cascas, a compreender a importância de caminhar, deixando paisagens para trás. Ainda que isso doa, uma vez que nosso ego se estrutura a partir de apegos e identificações, é a compreensão meditativa de que tudo passa que lhe permitirá seguir caminhando e, enfim, abrir-se ao novo que belamente se introduz em sua vida, pouco a pouco, passo a passo, até que você apareça com a alma totalmente renovada. Procure se interiorizar neste momento, evitando grandes atividades sociais. Faça este contato com o núcleo da sua alma e você entenderá quais são as coisas que precisam ser deixadas para trás.

Conselho: Viver é perder cascas continuamente!

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Capítulo 117 d’A Preferida, uma novela em tempo mental

Donatela está presa e descabelada e eu estou aguardando ansiosamente a reviravolta nessa história só pra saber como serão os milhares de pedidos de desculpas de todo os núcleos ricos e pobres da novela.

Eu fico pensando no seguinte (e por experiência própria, claro, que eu nunca fui flor que se cheirasse por muito tempo):

1. Todo mundo comete erros (óbvio); quem recebeu o “presente” fica com raiva, às vezes se magoa, às vezes é uma coisinha boba que qualquer um tende a deixar pra lá, Mas o caminho que rege qualquer relacionamento solicita que o infrator-relacionamental se desculpe..

Ora essa, nada mais natural né? Dependendo do grau de cagada, o pedido de desculpas é logo aceito e a bola é chutada de novo pro campinho pra que a vida continue a rodar;

2. Subentende-se que um pedido de desculpas traga embutido nas suas fitas e floreios o sentimento/vontade/esforço de que aquela cagada por menor que tenha sido não se repita, afinal de contas ninguém quer ver o outro colocando o seu nome num copinho dentro do congelador, porque esse mesmo outro ficou com raiva/chateado/magoado e a gente nunca quer que isso perdure, né?

Mas aí vem o nó...

A cagada já foi feita, uma, duas, três vezes, o pedido de desculpas já foi realizado o mesmo tanto e eu acredito que chega uma hora que esse pedido de desculpas não vale mais de nada, vira apenas convenção social, pró-forma.

Um pedido de desculpas só pode ser aceito se quem o fez têm consciência de que o que fez não é lá muito certo, e que por causa disso ele realmente não quer repetir o que fez porque não quer deixar o outro infeliz/puto novamente;

Eu sei que repetir o mesmo erro é o primeiro sintoma de desinteresse pelo outro, afinal de contas, já bati os recordes de desculpas vazias várias e várias vezes, algumas delas por imaturidade, outras por orgulho ferido e noutras por desamor/desafeto/maldade e qualquer outro sentimento torpe..

Ok, ok, eu não sou muito boazinha...

Não lembro de quem é essa frase que sempre me vem à cabeça quando o assassino/sacana/tarado/ou mau caráter da novela ou vida real comete o segundo crime e tenta novamente se “desculpar/inocentar”:

"A primeira vez que me enganares a culpa é tua, a segunda vez, a culpa é minha."

E geralmente as segundas, terceiras e infinitas vezes que o mesmo erro se repete é causado por algum tipo de prisão cujas grades foram forjadas pela própria vítima...

É Donatela, vai comendo o pão que o djabo amassou aos pouquinhos pra se tocar que quem deu a farinha foi você mesma.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Capítulo 116 d'A Preferida, uma novela em tempo mental.

Penso, penso, penso e penso mais
e fico desesperadaquasedoida,
de tanto isso e aquilo outro.
Filosofias de botequim pra uma pessoa só.
Porque eu tenho muito tempo pra ficar sozinha
e curto, ó..
Mas tem momentos que a sozincitude amolece a gente..
e nos faz sair por aí, revirando velhas gavetas da cabeça,
à procura de peças novas pr'aquela historinha que a gente queria
era nunca ter ouvido.
Penso, penso e repenso.
Questiono a causamotivorazãocircunstância das pessoas esconderem o que todo mundo já viu,
o que eu e a torcida chinesa já percebemos, já comprovamos e dissemos úúúúúúúúú!
Pra quê esse povo gasta dinheiro e energia com borracha se a gente já fez fotografias mentais de tudo!!??
Será que eu também fui contagiada pela moda da procrastinação?
e fico procrastinando (já que foi contágio, tem que se aprender a conjugar!) a certeza das pontadinhas de alfinetes verdes como os olhos daquele monstro?
Será que eu e Donatela não podemos mais confiar em ninguém?
Affe.. essa dúvida me deixa enjoada.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

ninguém se lembra

mas eles existem ainda e ainda sofrem
e esse cara aqui não deixa que a gente se esqueça deles e do que ainda pode acontecer com qualquer um de nós.

http://www.pixelpress.org/chernobyl/index.html

sexta-feira, 27 de junho de 2008

vida parafraseada

Férias, férias, férias..
coisa que meu juízo pede, coisa que meu corpo implora e meu humor..
esse então chora!
E aquele comercial gritando na minha cabeça: - ELLEN SAIA DE FÉRIAS!!!!
Mas tem tanta coisa, tantos planos, tantos acertos...
e tem tanta gente e tem tanta grana (que nem é minha, é dessa gente toda<------)..
e tem tanta vontade e tem tanto tempo e muito, muito trabalho...
FÉRIAS, FÉRIAS, FÉRIAS
onde elas foram?

domingo, 8 de junho de 2008

4 de copas


Afaste-se do conselho alheio

Muita atenção neste momento, Ellen! O 4 de Copas surge aqui na posição de conselho, sugerindo que há aqui o risco de você dar ouvidos a gente fofoqueira, que surge com falsas verdades ou maus conselhos. Cuidado pra não se pôr a “ver cabelo em ovo”, aumentando a proporção dos problemas, dando ouvido a inverdades ou sugestões maldosas. Mantenha sua vida em segredo, evite participar suas coisas às outras pessoas, sobretudo àquelas que você percebe que poderiam sentir uma real inveja de você. É preciso saber o momento de simplesmente se calar e não dar ouvidos ao que qualquer um vem lhe dizer, por mais bem intencionada que a pessoa lhe pareça! Você pode terminar aumentando mais os problemas ao invés de resolvê-los. Lembre-se veementemente disso.

Conselho: Afaste-se de fofocas, não se permita levar por intrigas!

um adeus

Não existe dobra no tempo que vá juntar
o que não é mais

Cada escolha é uma despedida
uma partida, meu bom rapaz

Os caminhos seguem em frente
sem tornar os olhos pra quem partiu

As esquinas não compreendem
essa rotina de calafrios.

Porque nessa estrada
longa jornada
de nunca mais

Qualquer reencontro possível
se perde no tempo
de olhar pra trás

E a cada nova escolha
se abandona quem lá ficou

casas, passos, cheiros, lembranças
marcas na alma
de quem amou

...................................................

Porque nessa estrada
longa jornada
de nunca mais

Qualquer novo encontro
é possível
solto no tempo
de olhar pra trás

E em cada nova escolha
se traz à tona um novo amor

Novos olhos, cheiros, lembranças
dispersos no tempo
de quem ficou.

quinta-feira, 1 de maio de 2008

...quem diria?



Hoje ao me olhar no espelho e pegar a tesoura mais uma vez percebi: Aos 27 anos eu tenho uma franja!!!!! uma franja!!! o máximo da minha libertação!!! eu, que sempre quis uma franjinha inocente aos 5, 6 anos de idade.. V I V A!!!!!

sexta-feira, 18 de abril de 2008

ai.. ai...


Eu tenho um crone paraguayo desses lá em casa....

Aberta a temporada de fiu-fius!


E num é que a pessoa, na segunda semana de marombação
já está a arrecadar fiu-fius?
Se bem que nunca foi segredo a atração excepcional de abordagens
de psico(sim)patas(áticos) à pessoa..
masssss...
tá a pobre, suada, descabelada, fedorenta, uó...
voltando toda tronxa da sessão de marombação X carreira
e o cidadão buzina, dá xauzinho..
ok.. a pessoa pensando que era gente que nem a gente, dá xauzinho, né?!
masssss.. eis que o cidadão pára o carro e dá ré!!
isso mesmo!!!
eis que ele "réia" o carro e vem todo garboso chamando de loirinha linda com o celular em punho..
e a pessoa faz o quê?
a pessoa corre!
óbvio que só podia ser macumba!

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Affe, isso cansa!


A Torre Fulminada

Eliminando o que não serve mais

O arcano XVI emerge como arcano conselheiro para este momento de sua vida, Ellen, sugerindo que é chegado um importante momento em sua existência: o tempo para romper com tudo aquilo que não lhe serve mais e que você preservava apenas por manutenção de fachadas. Estas coisas que precisam ser eliminadas podem ser (e geralmente são) internas e têm a ver com hábitos, modelos mentais e expectativas falsas. Mas podem ser também relacionamentos falidos, projetos que não dão em nada, ou seja, qualquer coisa que não faz mais nenhum sentido em sua vida e que você talvez não tenha ainda a coragem de eliminar. Todavia, é preciso agir, caso contrário a negatividade se tornará pior. Enfrente com coragem este momento de varredura radical!

Conselho: A coragem é necessária para enfrentar problemas de difícil solução.

segunda-feira, 31 de março de 2008

Cresça e apareça

É.. não é fácil..
reaproximar não é fácil..
somos adultos e ainda temos características de quando éramos crianças..
ele não entende o porquê das minhas críticas, acha que é pura "pegação no pé".. mas eu quero que ele cresça, que ele viva outras coisas, que ele tenha experiências com outras pessoas, com outra rotina, com outro mundo..
que não é o dele
que não era o meu
mas que eu escolhi pra mim, como sendo o meu mundo, porque acredito que seja o melhor pra mim... e que também pode ser melhor pra ele, se ele assim decidir, se ele assim quiser..
pra que ele não fique na mesmice, na pequenez dos lugares, das pessoas...
espero que um dia ele entenda, que minha preocupação é verdadeira e sincera, e que não é apenas pra ficar batendo de frente pra que ele faça as coisas que EU acho que são certas..
ele é um menino grande... e tem que tomar suas decisões, escolher seu grupo de convívio, se moldar às suas próprias necessidades, aprender com os seus erros...
Quero apenas mostrar-lhe o que é possível.
E é apenas nisso que quero insistir, em mostrar-lhe possibilidade, dar-lhe oportunidades de poder ser sempre melhor do bom que ele já é.
É por amor, e por justiça e não por eu ser apenas chata.

quarta-feira, 12 de março de 2008

caminhar


Engraçado como a vida é cada vez mais simples.. embora continue sendo a mesma complicação, o olhar muda, o sentimento se molda, e ela vai passando enquanto eu fico deslumbrada com tantos vai-e-vem....

quarta-feira, 5 de março de 2008

Do mesmo Sangue


Chegou março e muita coisa passou..
me embrenhei em Aracajú pra fazer concurso,

Zay se formou, a colação foi ontem, tudo tão bonito,

Eltton começou o curso,

Laura acabou o namoro,

o mundo continua rodando.. rodando...

e hoje eu paro pra ouvir o que digo,

pra ter certeza de que é o melhor conselho,

pra me assegurar que que vai dar tudo certo.

Peço pro meu querido ter paciência, que essas suas angústias de hoje
são idênticas às que eu sempre tive...
mas, que a gente aprende a ter paciência e continua andando em frente!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Melodias de Carnaval 2008

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Enquanto eu tiver você aqui
Ninguém poderá me destruir


Querem acabar comigo
Isso eu não vou deixar
Me abrace assim, me olhe assim
Não vá ficar, longe de mim

Pois enquanto eu tiver você comigo
Sou mais forte para mim não há perigo
Você está aqui, e eu estou também
E com você eu não temo ninguém

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Enquanto eu tiver você aqui
Ninguém poderá me destruir


Pois enquanto eu tiver você comigo
Sou mais forte para mim não há perigo
Você sabe bem de onde eu venho
E no coração o que eu tenho
Tenho muito amor que é só o que interessa
Fique sempre aqui pois a verdade é essa

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Enquanto eu tiver você aqui
Ninguém poderá me destruir

Querem acabar comigo
Isso eu não vou deixar
Me abrace assim, me olhe assim
Não vá ficar longe de mim

Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque
Querem acabar comigo
Nem eu mesmo sei porque

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Assumindo o poder sobre a própria vida

Aracaju, aí vou eu!!!!


O conselho emitido pelo Tarot vem através da imagem do arcano IV, chamado “O Imperador”, cuja imagem nos revela uma figura masculina solidamente colocada, irradiando poder e autoridade. O pedido do arcano IV é o da importância de reconhecer a própria força e não depender demais de ninguém. Sempre que dependemos do outro, o outro pode falhar conosco eventualmente e qualquer felicidade excessivamente buscada fora de nós é absolutamente temporária. Procure, neste momento, cultivar a referência do seu próprio poder pessoal e não se deixe levar demais pelos conselhos alheios. Reconheça, em si, a autoridade para comandar sua própria vida.


Conselho: Seja mais independente neste momento.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

É ONDJA....

Sinceramente, tem dias que eu sinto vergonha de ser humana, tenho vontade de fugir de mim mesma de tanta vergonha...
há pessoas que transcendem a minha capacidade imaginativa de absurdos, e que ganham todos os prêmios "Os Fantásticos"!!!
Aplausos, todos os aplausos!
Nessa noite, um futuro-ex-quem-sabe-coleguinha de trabalho merece todos eles!!!!

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Grão


Eu sempre acreditei que a separação fosse dolorosa. Às vezes me deixo enganar pelo que acredito que possa ser a dor, por antever a saudade como uma coisa ruim. A separação veio. Meio sem propósito, meio a revelia, mas acho que já estava na hora de acontecer, o medo foi embora, e o cansaço de continuar a insistir em crisálidas de sentimentos acabou perdendo a força. De você levarei pelo mundo afora sempre o que há e houve de mais belo, todas as histórias que contou, todas as lições que me fez aprender, os sorrisos, carinhos e esse amor enorme que ainda trago comigo. Mas acredito que pra tudo existe um tempo, de começar, de crescer, de terminar sempre vamos ao encontro do círculo brilhante de nossos segmentos de existência. E nosso tempo, até aqui, chegou ao fim. Pode ser que ele tenha morrido pra germinar, como diz a música. Teve que morrer pra germinar, mas continua sendo amor.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

A de hoje

O Julgamento

Reciclando

O arcano XX como conselheiro para este momento de sua vida atenta para a importância de fazer uma pausa com o objetivo de avaliar melhor tudo o que tem acontecido e que aconteceu em sua vida, Ellen. Sem planejamento e estratégia, nada é muito viável e tendemos a repetir os mesmos erros que já cometemos no passado. Todos temos uma tendência a permitir processos de repetição, mas à medida que o tempo passa desenvolvemos um melhor julgamento dos acontecimentos. É como se, à medida que amadurecêssemos, ampliássemos nossa capacidade perceptiva e entendêssemos os fatos passados com maior clareza. Procure aproveitar estes dias para fazer uma investigação criteriosa de que coisas precisam ser alteradas em sua estratégia.


Conselho: Momento de avaliar os acontecimentos de forma crítica.

sábado, 12 de janeiro de 2008

...

Eu amo você e nunca disse que seria fácil,
eu amo você e sempre disse que era chata.
Eu amo você e peço desculpas por te comparar a qualquer coisa,
mas como alguém te faz perceber que você passa dos limites?
como????
como fazer você participar de uma conversa sem fazer uma piadinha a cada frase que eu falo?
como?
como explicar pra você que essa sua energia e necessidade, quase infantis, de ironias eternas me fazem me sentir uma formiga cinza e desinteressante?
e como eu faço isso sem te magoar e sem me fazer chorar?

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

a dona velha velicidade

Um sábado em "Jagatá" e todos estamos ficando velhos... Pureza casou, a festa foi boa, e em meio a tantos conhecidos, reconhecidos e desconhecidos... A banda pôde se juntar pra cantar pela última vez algumas canções. Muitos abraços de uns, muitos beijos de outros, distância de alguns... e essa bola que se chama mundo continua girando! Pra alguns.. são 10 anos de amizade, brigas, beijos, sexo e mais brigas, beijos e sempre muito, mas muito amor. Pra outros são os mesmos sorrisos amistosos e gentis, pra retroutos olhares dúbios e furtivos e aquela cara de: você que escolheu assim! quando na verdade a decisão urgia, urrava pra todos. Banho de rio, feijão, bolo de casamento.. Presentes sonoros, dancinhas e realmente estamos ficando velhos!

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Começando, 1, 2, 3!

Primeira noite de sono do ano com sonhos estranhos..
gatos que somem, chinchilas aos potes, portas, salas, cadeiras... lugares com um misto de igreja e escola... animais, passeios , e procura, procura...
O reveillón foi bom, e de tão tranqüilo sugere um ano novo muito bom!!!
Então.. que venha esse ano cheirando a leite de peito!