sexta-feira, 31 de outubro de 2008

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Hoje

- Dona Ellen, a senhora precisa vir ao laboratório para novas amostras...
- O que aconteceu?
- Algumas amostras sofreram hemólise.
- ...
- ...


...Até meu sangue está se quebrando...

exames

Glicose = subindo
Hemoglobina = quase embaixo
eu = me basto

Seu Pensamento

na minha RM, Adrianando...

A uma hora dessas
por onde estará seu pensamento
Terá os pés na pedra
ou vento no cabelo?

A uma hora dessas
por onde andará seu pensamento
Dará voltas na Terra
ou no estacionamento?

Onde longe Londres Lisboa
ou na minha cama?

A uma hora dessas
por onde vagará seu pensamento
Terá os pés na areia
em pleno apartamento?

A uma hora dessas
por onde passará seu pensamento
Por dentro da minha saia
ou pelo firmamento?

Onde longe Leme Luanda
ou na minha cama?

Adriana Calcanhoto

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Valor-ação

Eu tento
não dar mais valor às pessoas do que o que elas já têm...
mas,
eu tendo.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Completinho

Não é porque eu sujei a roupa bem agora que eu já estava saindo
Nem mesmo por que eu peguei o maior trânsito e acabei perdendo o cinema
Não é por que não acho o papel onde anotei o telefone que estou precisando
Nem mesmo o dedo que eu cortei abrindo a lata e ainda continua sangrando
Não é por que fui mal na prova de geometria e periga d'eu repetir de ano
Nem mesmo o meu carro que parou de madrugada só por falta de gasolina
Não é por que tá muito frio, não é por que tá muito calor
O problema é que eu te amo
Não tenho dúvidas que com você daria certo
Juntos faríamos tantos planos
Com você o meu mundo ficaria completo
Eu vejo nossos filhos brincando
E depois cresceriam, e nos dariam os netos
A fome que devora alguns milhões de brasileiros
Perto disso já nem tem importância
A morte que nos toma a mãe insubstituível de repente
Dela eu já nem me lembro
A derrota de 50 e a campanha de 70 perdem totalmente o seu sentido,
As datas, fatos e aniversários passam
Sem deixar o menor vestígio
Injúrias e promessas e mentiras e ofensas caem fora
Pelo outro ouvido
Roubaram a carteira com meus documentos
Aborrecimentos que eu já nem ligo
Não é por que eu quis e eu não fiz
Não é por que não fui
E eu não vou
O problema é que eu te amo
Não tenho dúvidas que eu queria estar mais perto
Juntos viveríamos por mil anos
Por que o nosso mundo estaria completo
Eu vejo nossos filhos brincando
Com seus filhos que depois nos trariam bisnetos
Não é por que eu sei que ela não virá que eu não veja a porta já se abrindo
E que eu não queira tê-la, mesmo que não tenha a mínima lógica esse raciocínio
Não é que eu esteja procurando no infinito a sorte
Para andar comigo
Se a fé remove até montanhas, o desejo é o que torna o irreal possível
Não é por isso que eu não possa estar feliz, sorrindo e cantando
Não é por isso que ela não possa estar feliz, sorrindo e cantando
Não vou dizer que eu não ligo, eu digo o que eu sinto e o que eu sou
O problema é que eu te amo
Não tenha dúvidas, pois isso não é mais secreto
Juntos morreríamos, pois nos amamos
E de nós o mundo ficaria deserto
Eu vejo nossos filhos lembrando
Com os seus filhos que já teriam seus netos
Nando Reis

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Amor

leve
como leve pluma
muito leve pousa
muito leve
leve pousa.

João Ricardo - João Apolinário


domingo, 12 de outubro de 2008

cortinas

Queria que essa ventania levasse embora a ansiedade
e trouxesse a confiança que tive um dia.
Ainda não vejo o chão claramente.

vou, voo.

às vezes eu tento me superar,
ser melhor do que eu mesma sou capaz de ser,
abrir a guarda, deixar que as dores sejam curadas
com mercúrio-cromo e sorrisos.
às vezes eu tento me cicatrizar,
das feridas que em alguns momentos eu mesma faço,
e vou lá, e me abro, e permito;
nem sempre alivia,
nem sempre as coisas se desenvolvem de maneira a melhorar.
às vezes eu me causo mais dor e me recuso a tomar analgésicos,
me obrigo a ir cada vez mais fundo, procurando a farpa no dedo, incansavelmente.
continuo indo em frente, em frente, frente...
e me frustro quando não chego a lugar algum.
nem volto atrás, nem sei parar, nem tenho que me acompanhe.
Só, vou.

minúsculos assassinatos e alguns copos de leite

Ontem finalmente chegaram os livros novos.
Fiquei ansiosa pela hora de não-dormir pra poder começar a ler o livro da Fal;
embora avisada pelos inúmeros comentários espalhados pela bobesfera,
eu não imaginava.
Que a Alma era tão conhecida e tão doce,
que aquilo tudo enche demais a pessoa;
li quase o livro todo na mesma tacada, e não consegui mais dormir,
pensamentos, pesadelos...
Como alguém consegue dormir com a cama tão cheia de sentimentos?
Hoje: comemorar o dia das crianças com uma xícara enorme de café,
e um grande prato de cartola;
esperar pela hora de não-dormir pra continuar com tudo;
tentar não morrer antes dele chegar.

sábado, 11 de outubro de 2008

Árvores de Arruda

Eis que é chegada a primavera..
florescem cores
e também ervas daninhas..
chega a hora de se preparar para tudo o que é novo,
possível e impossível.
Reencontros são perenes nessa estação;
Amanhece a hora de resolver pendências e semear a terra que antes fora preparada para estas mudas de agora.
Época também de pequenos conflitos,
como fazer as unhas e quebrar um dente novo..
Se bem que...
antes mais um dente que a cara!
antes se jogar à vida que à imutabilidade.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Outono

Minha poesia é cega
meus lábios secos
meu peito raso
e o coração,
leve-me.

Lombalgia

E esse cansaço que hoje sinto
é por sentir demais tudo o que tenho
das saudades, dos desejos,
da sede e dos lampejos
nesses olhos
que estão longe
e que não posso enfrentar.

domingo, 5 de outubro de 2008

Ai meu Cid!

Morra Cid Moreira!!!
Morra!!!!
Pare de chorar todo domingo na mina tvlisão!!!

Affff

Domingo de eleição
tem Faustão e não tem novela
também pra quê?
se todo domingo já é ela!

sábado, 4 de outubro de 2008

Passa-tempo

tem dias que acordo assim,
meio perdida no tempo e dentro..
fico apenas vendo, ouvindo..
e tudo que está fora parece inatingível.
não é alheamento, vontade de compartilhar existe;
mas é que tem dias que sei lá porque, nascem meio tristes,
eu me sinto não cabendo nas roupas, músicas..
nem mesmo no pensamento
que me faz fica pequena
cada vez menor
a ponto de escorregar pelas frestas do piso.
e fico só olhando as coisas passarem
as pessoas passarem
as horas passarem
enquanto eu aqui,
sozinha e quase triste,
fico olhando o presente que chegou antes do que eu esperava
e que vai ficar sozinho comigo por alguns poucos e longos dias...
é dia que falta;
falta gente, falta beijo, falta vontade de ir à esquina
e mesmo vontade de ligar a tv.
é dia que sobra,
sobra dia enquanto espero que ele acabe.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Self Service em dia lindo.

Saí sozinha,
cheguei sozinha
fiquei.
Almocei sozinha,
voltei sozinha
fiquei.
E esse mundo lá fora?
apenas faz companhia ao sol.